RESENHA: A princesa Wei Yang(The Princess Wei Yang ), por Qin Jian

Título: A princesa Wei Yang (The Princess Wei Yang em inglês, 庶女有毒 em mandarim). Também é conhecido como A filha da concubina é venenosa (The Concubine’s Daughter is Poisonous)

Autor: Qin Jian

Língua lida: Inglês. Começou a ser traduzido por um grupo e depois continuou por outro. Veja no Novelupdates os links.

Tem em português: Claro que sim. Estou traduzindo. Link para a tradução aqui!

Sinopse em português traduzida por mim:

A vida é imprevisível. O seu próprio marido se apaixonou pela sua meia-irmã, a depôs como sua imperatriz e até forçou a morte de seu filho. Naquele Palácio Frio, ela foi forçada a beber vinho envenenado. Então na sua próxima vida, ela fez uma promessa de nunca mais fazer boas ações e ajudar os outros, para que assim nunca mais entre no palácio e nunca se tornará a imperatriz.

Na mansão do primeiro ministro, a filha da concubina renasceu como uma megera.

A madrasta má: Eu farei com que você vá para o inferno.

A meia-irmã mais velha duas cara e hipócrita? Eu vou desmascarar sua fachada virtuosa!

A meia-irmã mais nova que gosta de fazer intrigas? Eu vou te jogar direto na sua lápide!

Vocês não me deixaram ter uma vida pacífica, agora não esperem o mesmo!

Inicialmente ela desejava ficar o mais longe o possível de problemas; contudo, o coração de um homem é como uma agulha no oceano – impossível de procurar, impossível de entender.

O homem que antes jurou que a abandonaria se tornou alguém que não consegue viver sem ela.

Um inimigo de outra vida de repente confessou seus sentimentos por ela.

Ainda pior, ela está sendo importunada por um homem bonito que não sabe o que é deixar para lá.

Essa é uma resenha que estou devendo há tempos. Deve ser porque parei de fazê-las por algum tempo… E também estava esperando por mais material a ser traduzido.

Inicialmente, começarei com o que boa parte das pessoas colocaria no final, que é a adaptação do livro para um drama (caso queira assistir legalmente e legendado em português, clique aqui para assistir pelo DramaFever). Veja como é a sinopse:

Quando o reino dela é destruído, uma jovem princesa assume a identidade da filha de um professor para ensinar aos conquistadores do reino dela uma importante lição de vingança.

 E só para constar, não é professor, e sim primeiro ministro…
Agora compare com a sinopse do livro. Ambos possuem sim a temática de vingança, mas as histórias são diferentes. Caso não saiba, há uma censura na China na televisão a respeito de viagem ao tempo e transmigração. Só que ao contrário de ser uma piada, essa censura existe por um motivo triste: pessoas se suicidam na esperando de viajarem no tempo e transmigrarem. Esses são assuntos frequentes na literatura moderna de lá, na qual não se aplica a mesma censura, mais do que vampiros no boom da série Crepúsculo. Chuto que quase a metade dos livros produzidos para o público jovem envolva isso. O problema é que a história sempre começa com o protagonista se matando… Para terem uma ideia, foi feito um estudo científico sobre isso, no qual constou que em um público de 400 universitários, 212 acreditam que séries de TV com esse tema tem embasamento científico e 104 acreditam que pode acontecer na vida real.
Cada país tem seus problemas, não é…
Pois devido a popularidade do livro A princesa Weiyoung, fizeram uma adaptação para a TV, assim como fizeram com diversos livros famosos (o livro ficou tão famoso que acusaram de que ele fosse o plágio de xxxxxx livros AO MESMO TEMPO. Não um, dois, mas xxxxx livros mesmo! Se for verdade, pelo menos a autora merece o crédito pela melhor habilidade de copiar e colar já vista. O nível é cada frase vem de um livro diferente!). E assim como esses livros que possuem viagem ao tempo (transmigração nesse caso), tiveram que adaptar o roteiro. E a adaptação foi grande. GRANDE. ENORME. Não mudaram uma coisa ou outra para que a história passasse pela censura, criam um roteiro novo. O que você vai encontrar na série são personagens com o mesmo nome, ou ainda que foram baseados em personagens do livro e histórias parecidas, algumas passagens e só.
Para você ter uma ideia, o par romântico de Li Weiyoung é diferente do livro. O personagem que ela se apaixona no drama nem existe no livro, só há alguém semelhante a ele.
E considerando a história e motivação de Weiyoung, é claro que são completamente diferentes. Não vou dizer que o drama é ruim, ainda mais porque não terminei de assistir porque como comecei a ler o livro primeiro, não conseguia desvincular uma com a outra. Se você procura um romance bonitinho com protagonistas não burros, recomendo assistir o drama.
Agora, se quiser sentir satisfação em ver pessoas que merecem se ferrar, se ferrarem, leia o livro!
Eu recomendo com sinceridade que quem assistiu o drama leia o livro depois. Você vai ver que não é a mesma coisa. E não é só uma ou outra diferença, a história é outra.
Pelo que sei, algumas pessoas que tiveram acesso a sinopse preferem ignorar o primeiro capítulo da série e entender a motivação de Weiyoung como a do livro. Fazendo isso, parece que o drama ainda faz sentido. E é só ler o primeiro capítulo!
Agora sim vou falar do livro! Até agora usei Weiyong já que é assim que está no DramaFever, mas a partir de agora usarei Wei Yang, que é como está nas traduções do livro.
Certo, vou dar um resumo do passado dela para queles que só querem assistir o drama e querem imaginar uma motivação melhor!
Wei Yang não é uma princesa, é uma imperatriz. Por um capítulo, o primeiro. E morre nele da pior forma possível. Basicamente, foi traída e usada por todos ao seu redor que sequer a consideravam como um ser humano.
Wei Yang não passava de uma artimanha de seu pai para colocar sua filha mais velha, Changle, como a futura imperatriz. A protagonista era a filha shu (filha de uma concubina, considerada como inferiora), que ainda por cima nasceu em novembro, o que era considerado como um mal preságio. Seu pai forçou o seu casamento com o príncipe Tuoba Zhen, que possuía menor status entre os filhos do imperador, mas era o mais ambicioso. O objetivo de seu pai era humilhar Tuoba Zhen por negar dar a sua filha di (filha da esposa) Changle, por quem ele era apaixonado propôs casamento, e o obrigar a ter uma esposa ruim, e nisso aumentar ainda mais a sua vontade se subir ao trono. Wei Yang quando casada ajudou o seu marido de todas as formas possíveis e desonestas, mas terminou com a pior fama possível quando conseguiu se tornar imperatriz. Ao mesmo tempo, Changle ficou longe de todas as disputas e continuou com a fama de virtuosa e entra no harém como concubina. Tuoba Zhen culpa o aborto de Changle na irmã por Wei Yang chamar o médico real para salvar o seu próprio filho de uma doença (e ele não sobreviveu) e negligenciá-la, e a abole como imperatriz e faz a vida dela um inferno por anos, até que a manda matar por achar que ela fez uma feitiçaria para que Changle fique doente.
Só que a vida de vez em quando é justa e Wei Yang depois de morrer acorda no meio de sua adolescência, período no qual era mantida fora da casa da família e maltratada por seus cuidadores. Antes dela era uma menina ingênua que acreditava na bondade dos membros de sua família, na fidelidade do marido, mas agora ela não só sabe como eles realmente eram, mas também tem conhecimentos do que irá acontecer. Ela sabe que Changle aparenta ser bondosa, mas na verdade foi treinada desde criança para parecer desta maneira e não é nada do que aparenta. Sabe de todas as falcatruas que Tuoba Zhen fez para que tornasse imperador e da sua síndrome de inferioridade. Sabe que o seu irmão não a considera digna de ser sua irmã, e só se importa em fazer com que Changle se torne imperatriz. Que a sua mãe foi assassinada. Que seu pai e a esposa dele viam todas as filhas de concubinas da família como peças para a manutenção do poder deles e que deveriam ser usadas para fazer com que Changle se torne imperatriz.
Wei Yang sabe que para continuar vivendo ela tem de se vingar dessas pessoas para que elas não consigam fazer o mesmo que fizeram em sua vida passada. Só que ela continua sendo uma filha shu, inferiora na família. Aliás, em questão de status, ela é realmente a pior de todas as irmãs. Aproveitando do seu conhecimento do futuro e da esperteza que adquiriu ao ajudar seu marido a se tornar imperador e derrubar todas as outras concubinas do harém dele para que sua irmã finalmente desse as caras, ela vai rebaixando e derrubando um por um, ao mesmo tempo em que busca elevar o seu status.
Pronto, podem assitir o drama!
Um exemplo disso foi como conseguiu o título de princesa (não princesa mesmo como conhecemos no ocidente, mas sim de uma mulher com um título de realeza conquistado por seu próprio mérito. O termo mais preciso seria uma “mulher nobre”, “dama real”, “princesa de terceiro escalão”). Wei Yang sabia que uma calamidade natural aconteceria, assim escreveu medidas para amenizar os estragos. Ela sabia que haviam espiões de Changle por perto dela e também sabia que a irmã era vaidosa e queria ser reconhecida como aquela que salvou o país, assim essa lista foi roubada e entregue ao imperador como se fosse ela quem pensou. Só que Wei Yang fez isso de propósito, sabendo que as medidas, apesar de parecerem ser boas, tinham sérios problemas. Isso resultou na humilhação de Changle por ter piorado tudo, como a impossibilidade de admitir publicamente que foi Wei Yang quem escreveu. E com várias pessoas sabendo quem na verdade escreveu as medidas, tudo o que Wei Yang teve que fazer foi dizer a solução para todos os furos, e com isso receber a fama de heroína, e também o título de princesa.
E isso é uma das coisas mais leves que Wei Yang fez… Mas ela também tem uma fragilidade que contrapõe a imagem de mulher durona vingativa que não se importa com nada. Wei Yang tem muito medo de morrer ou sofrer qualquer dano, já que na última vida teve a sua perna amputada como punição. É uma boa personagem. Ela é sim impiedosa e está disposta a fazer com que aqueles que contribuíram com sua morte sofram pior do que ela sofreu na sua outra vida, e nisso ela não tem nenhuma sensibilidade moral. Se é para ser má, ela é mesmo má sem reservas, já que sabe o que aquelas pessoas são capazes. É mais ou menos o fure o olho de alguém antes que essa pessoa fure o seu, e essa pessoa vai sim furar seu olho se der oportunidade. Só que ela não é uma louca que sai por aí matando todos que tem pela frente. Ela se importa com aqueles que são importantes para ela e não prejudica inocentes na sua vingança. Até ajuda algumas pessoas que sabe que serão prejudicadas no futuro.
Fazendo um contraponto com a personagem do livro e a da série, a do livro é mais impiedosa e calculista, mas ao mesmo tempo é mais humana. A da série é mais amena, ainda mais pela temática de romance ser mais forte.
Tenho de admitir que tenho pena de Tuoba Zhen nessa história. Ele tem sim um complexo de inferioridade, mas na sua vida passada foi um tirano horrível por causa das manipulações que fizeram com ele. A premissa dele é que a de que acha sempre que é menosprezado por todos por ter uma concubina de baixo nível como mãe. Nessa vida, ele tem sim uma afeição de verdade por Wei Yang, admira sua inteligência, mas sua vontade de ser imperador é maior, por isso quer se casar com Changle e ter Wei Yang como concubina, tanto que tenta apaziguar a relação delas. Ele é um desses personagens que teria uma salvação se o autor quiser. Só que Wei Yang guarda rancor contra ele e está disposta a vingar sua vida passada, o que alimenta ainda mais a crença dele de que é desprezado por seu nascimento. É uma pancada após a outra e ele nem sabe o porque disso.
O primo adotivo de Wei Yang também é um personagem importante, também conhecido com par romântico. Não apareceu em sua vida passada porque morreu jovem, porém por coincidência, ela o salva no mesmo dia que salvou a vida da própria mãe. Ele e a história dele são importantes mais para o meio da história.
Agora a minha personagem favorita. Sim, eu gosto da Le Changle como personagem. A história dela é interessante, tanto no passado como no presente. Não é como se ela fosse uma grande manipuladora, inteligente e capaz de lidar com todos os seus inimigos. Ela é uma menina que desde criança foi ensinada que era a mais bonita, inteligente e virtuosa e a única pessoa boa o suficiente para ser a futura imperatriz, e acredita nisso. É a filha gerada pelas duas famílias mais influentes do reino, todos tem grandes expectativas para ela. Para piorar, ela é considerada como a mulher mais bonita do reino. Ela acredita piamente nisso, que é superiora a todos e que não possui nenhuma falha. É isso que a faz ser uma vilã, sua desconsideração por qualquer um que não seja ela. Não conseguiria viver se alguém visse algo de ruim nela e é obcecada pela sua beleza. É sempre gentil, atenciosa, boazinha, mas tudo para manter a própria imagem. É por isso que tem todo o apoio de sua família para se preservar do mundo e precisou que Wei Yang limpasse o seu caminho para que se tornasse uma imperatriz, para que não houvesse a possibilidade de alguém tramar algo contra ela, para o que ela não conseguiria lidar, ou então mancharia a sua imagem. Changle é como uma flor delicada que tem de ter um jardineiro cuidando o tempo todo, se não murcharia e ficaria feia. A verdadeira personalidade dela está nos detalhes no começo da história, e cada vez que tem uma queda, é possível ver o desespero de quem não sabe o que fazer.
E não dá para não mencionar esse livro sem mencionar O Renascimento da Imperatriz Maliciosa de Linhagem Militar, por Qian Shan Cha Ke. No mundo dos livros chineses, sinopses idênticas umas as outras (e acusações e mais acusações – justas – de plágio) são comuns. E esse é o livro que está em alta sendo traduzido mais parecido com Princesa Wei Yang. Shen Miao, a protagonista, foi uma imperatriz que devido a diversas tramoias foi obrigada a se matar pelo imperador, e também renasce como mais nova. A diferença básica nas duas obras é que Shen Miao é uma filha di de um pai que nem tem concubinas e possuí o amor dos pais, enquanto Li Wei Yang é uma silha shu que não tem apoio da família. O caminho que elas tem de seguir é diferente, e Wei Yang na verdade tem tem menos pessoas e mágoas para se vingar se comparar com Shen Miao.
E também é isso o que faz Princesa Wei Yang acabar se destacando no meio de outros livros. É um clichê a história de uma filha di sendo humilhada pelas irmãs shu e então ele decidir recuperar o seu lugar que é de direito, como a filha “que realmente importa”. Wei Yang tem de ralar não só para não reviver o seu passado, mas também para conseguir poder e tirar ele de seus inimigos.
Para mim, o melhor momento da história. Como é um spoiler, passe o mouse nesse trecho e leia a caixa de texto que aparecerá.

seu passado, mas também para conseguir poder e tirar ele de seus inimigos.

Continuação. Como é um spoiler, passe o mouse nesse trecho e leia a caixa de texto que aparecerá.

2 comentários sobre “RESENHA: A princesa Wei Yang(The Princess Wei Yang ), por Qin Jian

  1. Maria disse:

    Honestamente não entendo como Li Chang Le é seu personagem favorito, ela é maliciosa em sua vida presente e passada. O fato de ela ter sido criada a pensar que é a mais virtuosa e bela da corte não lhe dá uma desculpa para suas ações. Eu realmente amo como Wei Yang faz uso de sua inteligência e lhe dá o que ela merece e se Wei Yang é meu personagem favorito, então não importa o quanto ela seja vingativa com aqueles que a prejudicam e seus próprios, ela não envolve seres inocentes.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s