Sobre Bu Bu Jing Xin e Moon Lovers: Scarlet Heart Ryeo

Cuidado com a China… escritores e produtores

Caso queira um post falando desses dois dramas, eu fiz um e não é esse, e sim esse:Scarlet hearts: diferença entre a versão chinesa e a sul-coreana

(Esse post foi feito com o intuito de facilitar a leitura de ‘novels’ asiáticas. Faz parte de uma série de posts. Acesse a sessão de TRADUÇÕES desse blog para ler os demais posts)

Acho que esse post vai ser um daqueles que demorarei dias para escrever e que ninguém vai ler. O post que vou contar a minha relação com a ficção chinesa.

Em primeiro lugar, vou esclarecer uma coisa que vou deixar grifado, sublinhado, em negrito e cor de rosa, já que gosto dessa cor: NÃO SOU COMUNISTA, E NEM SOCIALISTA! Na verdade nem acredito na democracia plena, por isso sou uma inútil no ramo político. Não vou negar que essas duas formas de governos tem seus méritos (a política do filho único conseguiu salvar um país enorme da extrema pobreza), mas também tem seus desméritos (mesmo que eu tenha abanado o rótulo de feminista devido a várias mulheres que definitivamente não acreditam na igualdade que essa filosofia presa, tenho que reconhecer que a situação das mulheres chinesas nos dias de hoje está tensa). E por isso mesmo eu não vou perder o meu tempo lendo e assistindo propaganda socialista.

Sim, nesse post vou falar sobre a literatura e séries de televisão chinesas e posso garantir que a quantidade de propaganda que vi é minimíssima. Não tem quase nada, só aparece de vez em quando em histórias sobre a segunda guerra mundial, e geralmente é mais aparente a vontade de matarem todos os japoneses. Não dá nem para comparar com a propaganda americana sobre liberdade e democracia. E a censura não é tão grande quanto pode parecer para alguns, ainda mais na literatura. É sim um problema, mas não é tão grande assim…

No começo da minha adolescência fui nerd de K-POP. Acho que ninguém sabe quem é a Lee Hyori ou a BoA, mas eu era fã delas. Depois gostei de mangás, daqueles bem velhos. Glass Mask e Bersairu no Bara ainda são meus favoritos. Comecei a assistir seriados japoneses antes de assistir os americanos. Não é que eu gostava deles, era que não tinha coisa melhor (e ainda continuo odiando seriados japoneses… sinopses boas demais para qualidade de menos). Amei Hana Yori Dango e tentei assistir alguns coreanos, já que me falaram que eram bons. Não gostei na época, mas gostei depois.

Foi nessa época que conheci o meu primeiro drama chines, Bu Bu Jing Xin, ou Coração Escarlete. É, o mesmo que os coreanos fizeram um remake há alguns anos. Na época não gostei, não consegui passar dos primeiros capítulos e juntando com alguns outros dramas que só comecei, criei alguns rótulos na minha cabeça:

  • Japoneses tentam transformar os dramas deles em animes e isso não dá certo, o resultado é constrangedor
  • Chines fazem a façanha de dublarem suas próprias criações e é tudo muito infantilizado
  • Coreanos deram conta do recado

E continuei com esse pensamento por anos. E até agora não mudei minha ideia sobre o Japão. Desculpem, japoneses…

Até que um dia decidi dar uma nova oportunidade para Bu Bu Jing Xin. Gosto do gênero de viagem ao tempo e já tinha esgotado tudo quanto era drama coreano, e sempre gostei da sinopse de Bu Bu Jing Xin. Continuei a assistir, passei pela parte na qual a protagonista era bobinha, prossegui para o que eu considero como a história de verdade… E gostei. Não só gostei, para mim é um dos melhores dramas já feitos.

Foi na época em que comecei a escrever, quando comecei a prestar atenção em certos detalhes nas histórias. Até hoje Maertai Ruoxi, que é a protagonista da história, é um exemplo para mim de boa construção de personagem. Várias pessoas a odeiam, mas Ruoxi tem uma história, uma ideologia, uma personalidade, seus próprios valores, uma forma de se relacionar com as pessoas, e tudo isso de forma que evolui e amadurece.

Também foi nessa época que dei uma oportunidade para Imperatrizes no Harem (a versão que eu encontrei agora licenciada é uma cheia de cortes e que não aconselho ninguém ver por tratar a história de modo superficial. Procurem na ilegalidade a versão inteira, aquela com mais de 70 capítulos). Demorei para assistir, principalmente porque pela lentidão pode ser cansativa. Gostei pela fineza, mas ainda não me convenceu de que a China conseguia produzir coisas boas, só algumas. Até deixei passar Nirvana incendiada (e que porcaria de adaptação de título foi essa? O que tem de ruim em chamar o drama de A Lista da Langya?).

E acho que era a época áurea dos dramas coreanos. Eram títulos e mais títulos bons.

Até que veio o ano retrasado. E o ano passado. Muitas produções chinesas boas. Agentes da PrincesaO Amor EternoA Mulher do ReiA Lenda de ChusenFantasia do Gelo. Todas essas obras que tem algo em comum que direi depois. Não vi nenhum deles na época…

E Bu Bu Jing Xin para mim tem um peso importante, isso por causa do remake coreano, Scarlet Heart: Ryeo.

Foi uma superprodução? Sim.

Foi bom no total? Sim?

Teve  a Maertai Ruouxi? Não.

Não vou desmerecer a atuação da atriz IU, porque não importava a atriz que colocassem, os roteiristas e diretores acabaram com a caracterização da personagem. Não adianta vir com a desculpa de que é uma adaptação, Ruoxi é a peça principal para o andamento do enredo. Ela é uma mulher do futuro prática, adaptável, que sabe amar e valorizar a si mesma, e por isso diversas vezes os telespectadores se frustravam com ela. Ela não é passional, não vive a vida segundo os seus amores, e sim com responsabilidade e dignidade. E o que se encontra como protagonista em Scarlet Hearts: Ryeo é uma moça fofinha e frágil, mas que para seguirem a história, tinha que ser Ruoxi algumas vezes, a tornando uma personagem fragmentada. Encontrei uma personagem típico do que eu consideraria chinesa em um drama coreano.

E para finalizar essa parte, digo que Lee Joon Ki salvou muito bem salvo o drama!

Então fui assistir algo que todos estavam indicando, The Princess Weiyoung (que fiz uma resenha sobre o livro que você pode acessar clicando aqui). Um drama chinês. E uau! Esse drama era bom. Diferente do que eu imaginava. Isso me fez fazer duas coisas, que falarei separadamente. E vi que existe um gigante no mundo do entretenimento que está despertando!


Já que estamos falando de dramas, falemos de dramas.

Na minha opinião, os dramas chineses nos últimos tempos, ao menos os que foram traduzidos para o inglês, foram superiores de uma forma geral aos coreanos.

Em uma questão de pouco tempo, os dramas chineses evoluíram muito. E isso é uma ótima notícia para is nerds.

Sabe Game of Thones, aquela série mundialmente famosa que custa uma fortuna para ser feita? De fantasia, com intrigas e tudo mais. Antes de continuar, entenda que todos os dramas de todos os países tem a sua própria voz. Como série americana, tem várias cenas de nudez, violência gráfica, palavrões e esses tipos. Em outros países tem sim coisas semelhantes. Novelas brasileiras são diferentes das mexicanas. A China tem uma dramaturgia com a própria voz (dublada), que vem aos poucos parando de ter aquela infantilidade excessiva mas, ainda restando um pouco sim.

Saiba que existes várias séries com premissas semelhantes a Game of Thones passando na China. Cheias de intrigas, brigas pelo trono, dragões, zumbis, alguns desses ao mesmo tempo? Só não são mundialmente famosos. Coisas com qualidade boa que não são nem traduzidas.

E tecnicamente, possuí uma vantagem enorme: um péssimo cgi. Se eles não tem vergonha de economizar dinheiro dublando as próprias produções, porque fazer isso com os efeitos especiais. São de chorar de ruim. Porém, quantas pessoas realmente se importam com isso? Isso permite a produção massiva de obras que os outros países nem pensariam em fazer devido ao alto custo de produção. A quantidade de obras de fantasia chinesas são impressionantes. Veja só Fantasia do Gelo, um drama inteiro feito com cgi da pior qualidade possível, material cênico pior ainda, nem se fala as perucas, e que consegue ser ótimo.

Só faço uma exceção para Rakshasa Street. Nesse conseguiram ser bons no cgi!

E também devo falar algo sobre números. Mesmo os não legendados, a quantidade de dramas que chegam ao conhecimento do ocidente não são nem metade do que é produzido.

É inegável que a produção de dramas deles é voltado para o mercado interno, ainda mais tendo a já consolidada Coreia do Sul como competidora na Ásia. Só que a qualidade do que produzem continua subindo e subindo enquanto eu vejo que os dramas coreanos começaram a se acomodar. Sejamos Sinceros, não houve nenhum drama que possa ser considerada como grande depois da exibição de Goblim…


Agora vou falar sobre os livros.

Descobri devido a alguns comentários que a série era bem diferente dos livros no qual foi baseada, e que ainda estavam traduzindo! eu, como boa leitora, é claro que fui procurar. E li e gostei e descobri nisso algo: existiam pessoas traduzindo livros chineses. E eu, como boa leitora, fui ler.

E achei coisas que como leitora de livros brasileiros e americanos, nunca tinha lido na vida.

E continuei lendo e agora quase que só leio (e uso como inspiração) os livros chineses.

Para começar, a maneira com o qual os livros para um publico jovem e de jovens adultos são publicados são mais modernos e convenientes. Por mais que eu ame o Kindle e o suporte da Amazon para novos autores, não tem nem comparação com as editoras Chinesas. É como um grande watpad no qual depois de um tempo, você cobra para que leiam seus próximos capítulos, e se você for popular o suficiente, terá o seu livro impresso. Talvez para um leitor isso não faça grande diferença, mas para os escritores isso é um grande avanço.

Vou contar a minha história como escritora, e eu sei que não sou grande coisa, e ainda mais não era a original que enviei (por isso que ainda nem coloquei na amazon). No dia em que fui pegar o endereço de uma editora para mandar minha original, vi um anúncio da pré venda de um livro traduzido que sequer tinha sido lançado no país de origem ainda. E que não havia nenhum escritor de literatura juvenil nacional no acervo (e a burra aqui ainda enviou a original). Só são impressos livros que as editoras acham que venderão, e vez ou outra um escritor nacional consegue entrar em uma grande editora por um motivo misterioso (tem alguns que são ótimos, outros dão a fama que a os escritores atuais do Brasil carregam – de que são ruins). O que resta são as pequenas editoras na qual você tem que pagar pela publicação, e a publicidade não é lá grande coisa. Aí você fala que não tem bons autores nacionais… Você nem conhece os autores nacionais!

Desabafei em cor de rosa!

Com essa maneira de publicação, você além de ter acesso aos livros da maneira que agora está mais acostumado, pelo meio virtual, você decide se quer ou não continuar a ler o livro. E não são poucos os capítulos disponíveis de graça, podem ser mais de 200.

E nesse formato, o autor não precisa se preocupar com a quantidade de palavras e nem de resumir a história, pode escrever o quanto quiser.

E ainda não há ressaca literária! Existem muitas histórias com enredos semelhantes no mercado. Se você gostou de um livro, você vai achar outro parecido, mas com um desenvolvimento diferente.

E uma das coisas mais importantes, algo que vem de todo o oeste asiático e que  NUNCA LI E NEM VOU LER: existem romances voltados para o público masculino. É, livros de historinhas de amor feitos especialmente para homens. E devem ser exatamente como você imagina: mulheres gostosas se atirando em cima de um imbecil. Não falei mulher, falei mulheres. É esse o nível…

Basicamente, temos um país com uma produção literária gigantesca e que pelo modo de produção, os mais lidos são aqueles que o público mais gosta. E talvez você nem sabia que existiam escritores chineses?

Nerd nerd, nerd… você não pode se considerar um nerd de verdade se ainda não se aventurou pela China!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s