Contos que serviram de inspiração

Continuação de uma série de posts de preparação para o lançamento de A vilã da história, que ocorrerá no dia 20/03. Para a pré-venda, basta clicar aqui. Para aqueles que tem kindleulimited, podem pedir gratuitamente.

E não deixe de curtir curtir a nossa página no Facebook!

Trata-se de um material de divulgação contendo informações sobre o mundo, personagens e inspirações para a série. Pode ler sem medo de spoilers!

Caetana Pimenta, a protagonista maquiada (1)

Devo logo avisar que essa parte é pequena, e por um motivo simples: se eu me alongar, com certeza você, que ainda não leu A vilã da história, vai saber de informações que vão estragar a sua leitura.

Você deve estar pensando que se essa é uma história baseada em contos de fadas, só de saber quais são não iria ter o mesmo efeito? Não exatamente…

Não há qualquer compromisso de fidelidade à história aqui, o que não se diferencia de um reconto. Para quem não sabe, um reconto de um conto de fadas que pega a estrutura, as fatos e personagens e cria uma história parecida, nova. Podemos exemplificar com um reconto que está bem popular hoje em dia é a série Crônicas Lunares, da Marissa Meyer, que pega a história da Cinderela no seu primeiro volume e coloca em um universo alternativo com eventos novos, mas continua tendo um baile e um sapatinho. É igual, mas diferente…

Não é isso que você vai encontrar aqui. Pense mais em um mosaico de contos. Pega uma coisa aqui, coloca lá, depois outra, e encaixa em outro lugar, e então faz algo de original, para então pegar outra parte e continuar mais um pouco com uma coisa original. Enfim, uma bagunça! Que é o que se tem quando se junto os contos de “O patinho feio”, “Rupertstiltskin”, “A pequena sereia” e “A bela adormecida”. Se for fiel, não vai ficar exatamente legível… Ainda faço algumas menções de “A Branca de Neve”, que só estou colocando aqui porque alguém pode fazer a associação. Sim, vou usar “A Branca de Neve” mais a fundo em outra obra, ou pelo menos há a intenção.

Mas falemos agora melhor sobre cada um deles:

O patinho feito: acredito que seja aquele que está mais em voga durante toda a história. Creio que esse conto traga a lição de moral que cada um tem seu lugar no mundo, e às vezes nós não estamos no nosso, por isso nos tornamos esse patinho desajeitado. E também é uma história sobre amadurecimentos e o sofrimento que isso causa. O patinho tem de ser um pato antes de se tornar cisne. Diria que se esse livro tem uma lição de moral, vai ser essa!

Rupertstiltskin: gostaria só de salientar que odeio esse nome, e depois de ser obrigada a escrever considerável vezes, odeio ainda mais! E sobre esse conto não posso dizer muito, só que esse jogo de adivinhação da história é interessante…

A pequena sereia: creio que a minha inspiração nas primeiras versões dos contos fica clara com essa parte. Caso você só conheça certas versões, creio que você vai me achar criativa (e trágica) quando aparecer essa parte. Também acho que é o mais evidente de todos.

A bela adormecida: é o conto menos aparente nesse livro, e aquele que sou menos fiel. Só posso adiantar que você não deve pensar em algo romântico, e sim filial.

E sobre “A Branca de Neve”, o que usei foi a descrição de sua aparência para uma personagem.

 

Depois do lançamento, vou aprimorar os meus comentários de cada conto, e estará disponibilizado no meu site, na parte de extras do livro!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s